3 de octubre de 2011

Sempre há possibilidade de escolha à lógica estabelecida, é a lição deixada pelo Holocausto

“A importância atual do Holocausto está na lição que ele traz para toda a humanidade.
             
 
A lição do Holocausto é a facilidade com que a maioria das pessoas, colocadas numa situação em que não existe boa escolha ou que a torna muito cara, arranja uma justificativa para escapar ao dever moral (...) adotando em vez disso os preceitos do interesse racional e da autopreservação (...) O mal pode fazer o trabalho sujo, apostando que a maioria das pessoas a maior parte do tempo evita fazer  coisas imprudentes e temerárias – como resistir ao mal, por exemplo.

                E há uma outra lição do Holocausto, de não menos importância. Se a primeira lição é um alerta, a segunda  é uma esperança...
                Esta segunda lição nos diz que colocar a autopreservação acima do dever moral não é algo de modo nenhum predeterminado, inevitável e inelutável. Podemos ser pressionados a fazê-lo, mas não somos forçados a isso, de maneira que não se pode de fato jogar a responsabilidade da ação nos que pressionaram para tal.
Não importa quantas pessoas optaram pelo dever moral acima da racionalidade da autopreservação – o que realmente importa é que alguns fizeram essa opção. (...) O testemunho dos poucos que resistiram desmantela a autoridade lógica da autopreservação – ele revela afinal do que se trata: de uma escolha”.

Bauman – "Modernidade e Holocausto", p.236

.

1 comentarios:

Vinicius Calado dijo...

Escolhas difíceis, mas necessárias.