21 de octubre de 2009

O amor louco ParteIII ,de un dialogo con Albano




por Luis Alberto Warat


Os lugares comuns instalarom nos homens um habito de indiscriminacion que se extiende a todas as manifestacoes de seu cotidiano, a todas sus relacoes vinculares-. O homen indiscriminado é um hombre cortado em dois, escindido de se mismo ,incapacitado para estar de acordo com ele mesmo, solo adquiriendo a minima habilidade para poder estar de acordo com os lugares comuns que sustituem a posibilidade de um acordo com sigo mesmo Unicamente o artista consigue estar de acordo consigo mesmo,e o unico que pode estar no camino de sua emancipacao.O que exige uma profunda e dolorosa sinceridade em procura da autenticidade Sim esa sinceridade nao se pode ser realmente artista,realmente surrealista.O artista e por propio sentido ,o homem da autenticidade.O oposto ao homen uniformizado desde a cultura do grande consumo e da imposivilidade de escuta,de se mesmo e dos outros Unicamente a escuta sem escuta dos lugares comuns. A escuta por lugares comuns ,o unico codigo da escuta.Se perdio toda posivilidade da mutua escuta ,que e algo mas profunda,valiosa e vital que a comunicacao .O homem pode comunicarse sem escutarse.a escuta esta comprometida por a capacidade de escutar o sentimento do outro ,alqo que se da sempre nas entrelinheas do comunicado. Nunca a solidao a sido tam grande Sem escuta estamos no desamparo e na soledad. O amor na maioria dos casos e uma relacao sexuada sem escuta e sem fantasias, sem sexualidade, ue no debe ser confundida com o sexo ).o que o comverte em algo extremadamente angustiante.A agresividade ,a violencia, as pulsoes autodestructivassao sua consecuencia.A resposta diria Artoud é o grito.El nao e sempre mais que um arebato,termina sendo para os surrealistas o ataque a pervertida uniformidade do cotidianoA musica contemporanea usa muito ese grito de protesto

Quando um homem fica perdido de se mesmo esta condenado a uma eterna servidao.Todo modelo de lugares comuns termina sendo uma imposicion violenta de um conjunto de hipocrecias de igualdade. A instalacao de um plano de certezas,o entramado de redes de captura ,a configuracao de disciplinamentos e a institucionalizacao de modos uniformes,direccionamento hacia subjetividades pre’figuradas,Nada da instalacao de planos de interaccao ou resignificacaoes aconchagantes Todo entre’nois pretende ser suprimido entre vies,entre tantos ,entrepontes,entre unos e outros.Os sentimentos nao podem ser tratados como objetos comprados de segunda mano,uma coisa ja sentida por outro

A quietude das racionalidades intrinsecas que eternizam os vasallajes e os somentimentos que encontram um fundamento inmutavel na quietudes deve contraponerse o nomadismo entre os seres inquietos e vitaes como sentido de vida e descuverta de novas conexoes entre os elementos que se encontram recuvertos de significacoes petrificadas


O amor chama o silêncio como poesia. Nem sempre o consegue. Não é fácil escutar e interpretar o silêncio do outro. As vozes silentes dos sentimentos do outro precisam de meus dragões mais altamente qualificados. Quando escuto desde minhas saudades do amor9que nao tem a referenca a uma persoa definida= posso preencher o silencio do outro com minhas esperanças de amor. Escuto minha própria ideologia amorosa. Me aprisiono em minha própria loucura branca. A loucura que inventa o outro negando seus demônios, a sua tendência à infidelidade. A loucura branca nos instala numa nuvem tormentosa, e se a chuva não chega rápido e forte, se não se descarrega rápido e nos ajuda a cair vamos direto ao abraço da morte. As palabras de amor da locura blanca que poluem os silencios geralmente sao invasivas, afixiantes para o outro que espera por tu palava mesurada.Ningueim gosta ser asediado por uma seduccao que se asemeje a um mercader na Medina de Marrocos. Ninguiem gosta de sentirse asediado por alguiem que mostra-se como que nao podera existir sem o amor do outro,.E terrivel,arto invasivo um apasionado que manifesta nao ter nada ,nada, aleim do amor pelo outro:voce e vida para mim. O color de teus olhos me abre para novas perspectivas.Ella no neceesito conquistarlo , ele se arrojo desde o primer instante de motu propio, com um estallido que refleja seu fanatismo, aos pes da mas pagana, a mas altiva a mais soberana,a raina dos idolos que idolatra.E a rainha nao tuvo desejo.E preciso aprender a amar sem perder a dignidade. Para amar e preciso ter clase,pertenecer a um tipo de nobreza muito particular.Porem,o que e absolutamente necesario e nao perdar a clase na perdida do outro.No amor e preciso ter dignidade na derrota. E preciso aprender a dizer adeuos como um principe que mantem sua nobreza ainda perdendo seu reino.Ter clase no adeus nos salva de um grave desencontro con uno mesmo.E muito doloroso sentirse um imbecil dicendo adeus. Como um actor que se da um tombo cuando esta saindo do palco,quem nao sabe dizer adeus, durante muito tempo se sentira interiormente envergonhado pelo mico que pago na saida de cena. Termino de ver um filme)Conocindo a Julia) com Annette Bening, onde uma grande actirz do teatro ingles recupera no palco todas a dignidade que estuvo por perder a manos de uma principiante que osava robarle a seu amante e a seu marido para ocupar o lugar dela no palco Enchergandola no filme entendi, aprendi, como se deve construir a dignidade na derrota. A dignidade na derrota implica uma renuncia,nos forza evitar ir detras de um oasis de amor perdido.
Sin palavras, en silencio ,nos dizemos adeus.A dignidade maior numa despedida esta no liencio do adeus.Pero o silencio do adeus nao pode converti a despedida em um mimodramaDespedirnos como Bip,o famoso personagem de marcel marceau,com uma flor vermelha maltratada e um chapeu de magico destruido -

E muito gostoso poder amar sem fazer muito ruido,demostrando uma permanente confianza e disponivilidade para o outro,ocupandose para que o outro este bien ,nao falte nada para ele.E muito mas importante estar disponivel para o outro,sem fazer nihum carnaval,que atormentarlo com um vendaval de declaracoes desmedidas de mi amor.O outro precisa sentir que acredito nele mas que ele mesmo.O amor nao precisa de actuaciones.Nao e bom actuar o amor,salvo quando se esta saindo do palco derrotado. O amor expresado com histrionismos nao e convincente, revela uma falta de sensibilidade e imaginacao,aleim de perder toda sensualidade.Decir con cierto ton escandaloso ou melodramatico ,como te extrano o como te quiero puede sonar a formula vacia.Olhar para o outro , sem ruidos, pero de um geito que o outro note que voce tem afecto por ele e mais importante. Ela te esta mirando de una manera que decis ,gracias ao Senhor por que existe algueim que me mira con ese afecto, que me entende e podo ir a ele quando o necesite.


O melhor que posso fazer para honrarte,vida,e amarte em silencio

1 comentarios:

Sueli dijo...

Lindo texto! Penso ser bom para o amor o fato de que não estamos juntos por que necessitamos um do outro para conseguir viver, mas por que queremos ficar juntos. O texto me fez lembrar uma frase: "... eu sou feliz, mas sou mais feliz com você. O amor deve libertar o outro para que a ternura seja genuína. Parabéns!